mavecas

mavecas
mavecas

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Corshelby ou Shelbel (O Corcel doente)

Caros amigos,algumas anomalias continuam aparecendo no meu blog,mas prometo que é uma forma de adquirirmos anticorpos contra essas doenças que insistem em manifestar...Quem tiver o estômago forte,basta apenas tomar um Sonrisal,agora quem tiver a saúde para esses assuntos um pouco mais fraca,favor procurar uma revista de tradição o mais rápido possivel,para aprimorar a leitura e desentoxicar os olhos com fotos mais bonitas que estas!!!

Ecaaaaa!!!




quarta-feira, 29 de junho de 2011

Pinstriping

Ficheiro:'51 merc custom hood.jpg



Pin striping (algo próximo de tirinhas) é a aplicação de tinta ou outro materia em finas tiras para decoração, as tiras geralmente possuem cerca de 1 milímetro de espessura, dando formatos simétricos e tribalados como resultado final. Quando pintado a mão livre, utilza-se um equipamento chamado pinstriping brush, trata-se de um aplicador de tinta em forma de caneta. Finas linhas na indústria textil, é chamado de pin stripes.
Usado em conjunto com técnicas de aerografia, o pin striping é utilzado em decoração de carros, motocicletas e outras superfícies como geladeiras e capacetes.
Utilizado geralmente por adéptos de estilos como Chopper e Custom, a técnica é um dos principais motivos para a decoração dos tanques e partes da motocicleta. Mundialmente, artista como Kenny Howard), Dennis "Gibb" Gibbish, Ed "Big Daddy" Roth e Dean Jeffries foram os precussores do movimento, por vezes denominado Kustom Kulture, um estilo de vida peculiar da década de 1950."
Os primórdios do pin striping, são as pinturas das carroças utilizadas no século 18, que mais tarde foi embarcada nas carrocerias de caminhonetes e caminhões, assim como as frases de pára-choque que eram feitas á mão livre e com instrumentos simplificados como pincel e tinta. mais tarde, foi utilizado na decoração de veículos como tuning e body kit. O pin pode ser desenvolvido com pequenos adesivos de vinil e tinta. Algumas empresas se especializaram na criação dessa técnica, onde o mercado se viu com interesse no desenvolvimento dos materias necessários para sua conclusão.
Não existem limites para a aplicação da técnica, entre os mais comuns estão, pranchas de surf, capacetes, geladeiras, modelismo entre outros tantos.












terça-feira, 28 de junho de 2011

Blasfêmia

Quando vejo determinadas "coisas",fico me pergutando:
-Será que é verdade?
-O que um sujeito destes tem na cabeça?
Como admirador fanático dos motores v8,considero uma heresia pegar um Galaxie ou um Landau e colocar um motor que não seja do seu próprio Dna.É como se pegasse um Dodge ou uma Ferrari e colocasse um motor de Vectra...Ou seja,não combina!!!Mais fazer o quê?Apezeiro é Apezeiro!!!Nada contra,mas que considero um pecado,considero!!! 


video


segunda-feira, 27 de junho de 2011

Bronco

Quem foi criado assistindo o seriado "Duro na queda" com o ator Lee Majors sabe o que eu estou falando!!!É uma pick up lendária...Bom reviver as lembranças da infância!!!









O Ford Bronco foi um carro produzido entre 1966 e 1996 pela Ford Motor Company, com cinco diferentes gerações.
O Ford Bronco foi inicialmente produzido como um concorrente do Jeep cj5, sendo mais confortavel que o mesmo. Doze unidades do modelo vieram para o Brasil em 1966-67 por doação do governo americano ao IBGE, e destes, poucos ainda rodam.
Em 1978, a Ford lançou o Bronco II, derivado da linha F-100. Equipado apenas com motores V8 (o 351 de 5,8 litros e também o motor 400, de 6,6 litros), e linhas totalmente renovadas (e ampliadas), o carro fez um sucesso de tremer a concorrência.
O novo Ford Bronco não era mais um jipinho, mas sim um full size 4X4 com grandes motores e incontáveis séries especiais.
Suas linhas eram modernas, com nova grade, faróis quadrados e muito conforto com bancos individuais, console, painel completo e uma série de itens de segurança. Para o consumidor havia a versão Custom, mais despojada; Ranger, para uso urbano com acabamento aprimorado e a Lariat, de luxo. Pouco a pouco, a Ford concluiu que o público gostava mais da versão wagon, que acomodava até seis pessoas, e que o perfil de uso do Bronco era mesmo o percurso urbano.
Logo em 1980 chegava a terceira geração do Ford Bronco. Sua maior mudança era o reposicionamento do modelo, que podia ter desde o motor 6 cilindros 4,9 litros até o V8 351 Windsor, com 5,8 litros. Nesta geração foi o primeiro utilitário a ganhar injeção eletrônica, em 1985. A idéia da Ford era conseguir concorrer com vários veículos, como os utilitários da Toyota, os modelos da Jeep e também com a temida Dodge Ram, que ganhava mais espaço no mercado a cada ano.
Em 1987 o Bronco mudou de novo, e para melhor, sem o exagero visto desde 1978. Com linhas mais retas e simplificadas, bem parecidas com a Ford Ranger e Explorer vendidas no Brasil. Em 1991 foi lançada a série especial 25 anos, com pintura exterior vermelha e interior cinza.

Em 1992 veio a última geração, que tinha linhas arredondadas, embora mantivessem a herança da simplicidade. O novo Bronco era mais seguro e incorporava até air bags laterais, mais o público preferia cada vez mais os SUV´s, confortáveis e fáceis de dirigir como automóveis, e robustos como utilitários.











sexta-feira, 24 de junho de 2011

Carro de pagodeiro

Outro carro que marcou minha época de solteiro e fazia um relativo sucesso na sua época,foi este Mitsuba.Só andava brilhando!!!Tanto ele,quanto meu Uno Turbo eram lavados todos os dias...E encerados também!!!Apesar de ter tido vários carros arrumados,o Mitsuba teve o seu valor...Posso dizer que não me arrependi de ter desfeito dele,pois comprei meu apê e ainda peguei o Uninho envenenado!!!Acho que não saí perdendo,pois não gostaria de levar a fama de pagodeiro que esta viatura dava aos seus donos...Minha tristeza maior é não ter na época uma máquina digital para fotografar todos os carros que passaram na minha mão!!!






Eclipse é um modelo esportivo de quatro lugares (2+2) da Mitsubishi Motors.O modelo foi criado em parceria com a Chrysler em 1989, resultando também no Plymouth Laser e no Eagle Talon (DSM - Diamond Star Motors). Os dois modelos nâo obtiveram muito sucesso, mas o Eclipse continuou sendo um dos ícones de esportividade/preço baixo, principalmente nos Estados Unidos. No Brasil é mais raro por ser importado mas não deixa de ser exótico, é admirado e muito bem falado por todos. Seus concorrentes diretos são: Nissan 350Z, Audi TT, Porsche Boxster e Mustang GT (6 cilindros de 245cv). Além do Eclipse o Mitsubishi Lancer também tem uma tradição, assim como o Colt que existe há 40 anos. O Eclipse se popularizou no Brasil depois do sucesso do filme Velozes e Furiosos onde o protagonista do filme possuia um Eclipse 1995 verde. Mesmo com o lançamento do novo Eclipse G3 e G4, o antigo G2 continua sendo um carro muito cobiçado entre adeptos do tuning por ser um carro robusto e com um potente motor. Existem, ao total, 4 gerações do Eclipse. O primeiro lançado em 1989 é chamado de G1, um carro com linhas mais quadradas, produzido até o ano de 1994 onde começam a ser produzidas as primeiras peças do novo Eclipse G2, um carro mais robusto e com maior potência, esse modelo sofreu algumas alteracões em 1998 onde ganhou novos parachoques dianteiros e traseiros, máscara negra nos faróis dianteiros e um aerofólio maior. Em meados de 2000 nasce o Eclipse G3, infelizmente suas vendas não são bem sucedidas e ele não teve grande aceitação como seu predecessor. Em 2005 a 4ª geração chega e tenta reerguer as vendas do Eclipse, essa geração está em produção nos dias atuais, é dotada de um motor MIVEC 3.8L aspirado que gera um total de 267cv de potência.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Nana nenê

Para manter a mavecas longe da poeira nesta época do ano,nada melhor do que embalá-la numa capa.Desta maneira ficará protegida de fuligens das queimadas e sujeiras do ambiente,e o melhor,dormirá bem quentinha!!!Nana nenê... 



Zzzzzzz!!!!!Zzzzzzz!!!!! 








Zzzzzzzzzzz!!!!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Fiat 147,a estória...

Este post vai para cutucar meu amigo Klauss (Branco),meu amigo Redbeard e todos aqueles que querendo ou não,tem uma leve admiração por este pequenino!!!Só fico imaginando um destes com uma mecânica T-jet e na injeção Fulltech...Que monstrinho não viraria? 


Ficheiro:Fiat 147 in Italia.JPG



O Fiat 147 foi um modelo de automóvel produzido pela Fiat do Brasil entre 1976 e 1986. Baseado no 127 italiano, o 147 marcou seu pioneirismo em várias formas:
  • Primeiro carro da Fiat produzido no Brasil, marcando o início das operações da fábrica de Betim, Minas Gerais;
  • Primeiro carro brasileiro com motor transversal dianteiro;
  • Primeiro carro no Brasil com coluna articulada;
  • Primeiro carro a álcool fabricado em série em todo o mundo (a partir de 1976);
  • O menor carro a diesel da época, sendo vendido na Europa e Argentina;
  • Primeiro carro brasileiro com todas as "variantes": hatch, sedan, perua, furgão e pick-up, faltando apenas as variantes conversivel e utilitaria esportiva;
  • Primeiro carro brasileiro com o estepe junto ao compartimento do motor, ou seja embaixo do capô dianteiro;
  • Primeiro carro brasileiro de pequeno porte com suspensão independente traseira;
  • Primeiro carro no Brasil a utilizar para-choques de plástico polipropileno em larga escala.(no modelo europa em 1980);
  • Primeiro carro brasileiro com desembaçador traseiro.
Em seus quinze anos de produção o Fiat 147 passou por duas reestilizações, sem grandes mudanças na carroceria. Na primeira reestilização ganhou uma frente mais baixa, no estilo que a marca chamou "Europa" em 1980 e, mais tarde, em 1983, a segunda que foi chamada Spazio, incorporando para-choques de plástico e estilo alusivo a modelos contemporâneos da marca como o Fiat Ritmo.
Teve uma versão picape lançada em 1978, a princípio chamada de Fiat 147 Pick-up. Em 1982, ganhou plataforma igual a da Panorama e passou a se chamar Fiorino. Na mesma época, foi lançado a versão furgão, que é produzido até hoje, na plataforma do Uno. A perua Panorama, foi lançada em 1980 e a versão sedã, (Oggi), em 1983. Essas versões tiveram vida curta (apenas até 1986). A versão Hatchback do 147 saiu de linha no Brasil em 1986 embora o Spazio continuasse sendo montado para exportação até 1993, e o ferramental de produção foi em parte transferido para a Argentina, onde foi montado até 1996. As versões pick-up e furgão (Fiorino) foram substituídos pela plataforma do Uno em 1988.
Foi eleito pela Revista Autoesporte o Carro do Ano de 1978.
Na época seu unico concorrente eram o VW Fusca que, tinha um desempenho e consumo inferiores. Porém a mecanica do 147 demandava mais conhecimentos mecanicos para trabalhar com esse motor. Seu cambio apresentava maior dificuldade para encontrar as marchas em suas primeiras versões, problema que foi em parte solucionado pela Fiat a partir dos modelos de 1984.

 796 kg.
















terça-feira, 21 de junho de 2011

Pqp!!!

Existem determinados carros que dão uma vontade imensa de soltar:
-Puta que pariu!!!
São nos casos destes aqui...






1970 Foose Terracuda



É com certeza que eu deitaria em posição fetal e começaria a chorar!!! Depois de 5 dias sem postar nada em virude da falta de tempo,taí um agrado aos amigos que sempre passam pelo blog!!!
Valeu demais!!!

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Meu uninho envenenado

Dentre os vários carros que tive,alguns me trouxeram gratas estórias e boas recordações.Um deles,foi um Uno turbo i.e.,fabricado pela Fiat e sua divisão Magnetti Marelli.Carrinho preparado para voar,todo modificado pela própria fábrica,desde suspensão e rodas,até interior,fora seus 120 poucos cavalinhos para uma carro com pouco peso e pequeno...Nunca poderia deixar de citá-lo como um dos melhores exemplares que dirigi.Totalmente na mão e muito nervoso!!!Pena que vendi,mas que sabe um dia poderá retornar a minha garagem como ítem de coleção!!! 



[Foto__5_.JPG]

[Foto.JPG]

[Foto__17_.JPG]

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Shell e Ferrari

Existem fatos que não há possibilidades de querermos tentar entender ou explicar.É simplesmente olhar e admirar...Observe a linha do tempo dos carros,lugares pelos quais eles passam e o som dos respectivos motores... Emocionante,aliás,uma dica:
-Aumente o som ao máximo e assista repetidas vezes!!!






terça-feira, 14 de junho de 2011

O dodginho que aprendi a dirigir

Dentre os carros que minha família teve,este aqui era um similar ao que meu padrinho teve e foi muito importante no meu aprendizado na direção.O mais incrível é que na época não existia carros compactos com motores 1.8,uma das vantagens dos dodginhos...Muito bom relembrar!!!



Ficheiro:Dodge Polara Brazil.jpg



O Dodge Polara ou Dodginho foi um automóvel fabricado pela Chrysler entre 1973 e 1981. No período, foram fabricadas 92.665 unidades.
No ano de 1971 a Chrysler consolidou a sua linha de produção com o Dodge Dart e planejava entrar no mercado de carros pequenos-médios. A partir do modelo Hillman Avenger GT comercializado na Inglaterra e Estados Unidos, o modelo foi adaptado às condições nacionais. Uma grande mudança foi no motor original de 1500 cc, modificado para funcionar dentro das características da gasolina nacional, com isto, sofreu uma modificação no curso dos pistões e o motor foi transformado em 1800 cc. O modelo foi rebatizado de Dodge 1800 e apresentado no VIII Salão do Automóvel, em novembro de 1972. Mas a maior modificação em relação ao Avenger inglês muito provavelmente tenha sido a eliminação das portas traseiras, para atender à preferência do consumidor brasileiro.
Devido a pressa com o projeto, no lançamento apresentou vários problemas de qualidade. Com o tempo, a mecânica foi melhorada e os defeitos corrigidos, novas versões foram lançadas, o motor ganhou novo carburador e houve aumento de potência para 82 cv. Em 1977 acabou sendo eleito Carro do Ano pela Revista Autoesporte. A partir de 1979, a Volkswagen adquiriu o controle da Chrysler no Brasil, a partir de 1981 preparou a fábrica para a produção de caminhões e encerrou a fabricação de automóveis da linha Dodge no Brasil. Na Argentina foi produzido até 1990, batizado de Dodge 1500 e Dodge 1800, fabricado pela empresa Chrysler-Fevre Argentina S.A. e em duas versões, com motores de 1500 cc e 1800 cc, sempre com quatro portas. No ano de 1982, a Chrysler vendeu sua subsidiária argentina para a Volkswagen; o automóvel continuou chamando-se "Dodge", durante o resto de 1982, porém com a identificação "Fabricado pela Volkswagen". No ano seguinte surgiu o "VW 1500", que não sofreu grandes mudanças, exceto nas lanternas dianteiras e traseiras, grade e pára-choques. Continuou a ser fabricado quase sem mudanças, até o ano de 1990; ano em que saiu de linha e foi substituído pelo Volkswagen Gacel (versão argentina do Voyage). No final dos anos 80, a empresa reestilizou o modelo, incluindo mudanças nos pára-choques, faróis, grade e lanternas traseiras, mudou o painel de instrumentos e o volante. Nesta etapa, juntou-se à linha o VW 1800 Rural, uma Station Wagon equipada com motor 1800 cc. Em 1978, recebeu caixa de câmbio de 5 marchas. Em alguns modelos havia ar-condicionado, como opcional.









 

sábado, 11 de junho de 2011

Putz grillo!!!

Quando vejo uma anomalia dessas,a única coisa que vem a minha a cabeça é xingar e gritar:
- Que por...!!!Nasci no lugar errado!!!Que país de mer...,onde não temos acesso a nada que presta,a não ser quando desembolsamos milhares de reais!!!
Então,para não baixar o nível do blog e das postagens,eu só diria uma coisa:
- Putz grillo!!!  






sexta-feira, 10 de junho de 2011

SS

Super Sport ou SS é o nome do pacote de desempenho oferecido pela Chevrolet em um número limitado de veículos. Todos os modelos SS possuem um distintivo "SS" em algum lugar do seu exterior para diferencia-lo das outras versões. O primeiro pacote SS foi fabricado para o Impala de 1961. Alguns dos modelos que ostentam o emblema SS incluem o Camaro, Chevelle, El Camino, Monte Carlo, e Nova. Atualmente, os carros SS são produzidos pela GM Performance Division. Existem controvérsias sobre o significado da sigla nos primeiros modelos de Opala vendidos no Brasil, pois alguns acreditam erroneamente que SS significaria "Separated Seats" ou invés de Super Sport. O nome SS na verdade foi copiado pela GMB dos carros da Chevrolet americana, que já utilizavam a sigla para caracterizar as versões com desempenho melhor.
Em 1961, o "kit" SS era adicionado em qualquer Impala por apenas US$55,80. O pacote incluía diversas modificações. A Chevrolet construiu 491,000 Impalas naquele ano, sendo que 453 deles receberam o pacote SS.
Os carros SS normalmente possuem pneus de alta performance, suspensão diferente, aumento de potência, juntamente com outros acessórios de performance e aparência.


Ficheiro:1969ChevelleSS.jpg

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Felipe e o Ford GT 40






Esta postagem de hoje vai como uma simples homenagem ao recém-nascido filho do meu amigo Rogério.Com certeza vai gostar de carros como o pai e os tios bem próximos por consideração (Eu e o Paulo).Só não pode ser torcedor do dragão como seu pai...Parabéns a toda família.
Seja bem vindo Felipe!!!

quarta-feira, 8 de junho de 2011

38 Dodges



Taí uma seleção de vários dodges num encontro de colecionadores e apreciadores da marca...Ao estilo Le Mans podemos ver diversos exemplares da consagrada marca.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Corsa "saboneteira"

Dentre os carros que tive,tenho uma lembrança especial deste corsinha wind que possuí.




Foi uma viatura de muitas estórias,bem conhecido dos meus amigos e familiares.Era chamado de "saboneteira"!Passou por várias modificações na estrutura e motorização.Sempre andou com a pintura igual a um espelho,raramente poderíamos vê-lo com poeira e os pneus sem estar com um brilho especial,tanto que o "pretinho" que eu fabrico é conhecido e desejado por muitos.Mas o segredo da receita vai morrer comigo... 

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Utilitários esportivos (SUVs)

Ficheiro:Willys Jeep Wagon green in yard maintenance use.jpg

Ficheiro:1994-1997 Jeep Cherokee (XJ) Sport 01.jpg


Ficheiro:Hyundai Veracruz Limited.jpg


Os utilitários esportivos (também conhecidos como SUVs, do inglês: "Sport Utility Vehicles") são veículos fabricados a partir de chassis de caminhonetes com design similar aos station wagons.
Inicialmente os SUVs foram veículos de passeio descendentes de veículos militares da Segunda Guerra Mundial e durante muitos anos foram populares em áreas rurais devido a altura e a tração 4x4 sendo a Jeep e a Land Rover as marcas que tradicionalmente melhor expressam esses tipos de carro.
Contudo a partir da década de 1990 começaram a agradar também motoristas com perfil urbano, devido aos novos carros com desenho menos urbano, mais itens de luxo e mecânica mais semelhante aos carros compactos.
É um tipo de veículo especialmente popular nos Estados Unidos que combina bom espaço interno para passageiros com a versatilidade de carga de uma pickup. São objetos de desejo pelo status aos quais são associados.
Caracteristicamente, são veículos de porte avantajado, normalmente derivados de caminhonetes, e apresentam uma configuração de design e interior em alusão aos veículos familiares conhecidos por "peruas" ou SW (station wagons). Ou seja, a capota estende-se até o fim do veículo, e internamente dispõem de banco traseiro e porta-malas. São carros tamanho família e uma boa parte deles é portado de uma terceira fileira de bancos, podendo totalizar até nove assentos para passageiros.
O modelo Hummer H2 que ilustra este artigo, por exemplo, deriva dos jipes utilizados pelo exército americano em várias guerras, como o seu companheiro de marca, o mais arrojado Hummer H1.
Eles hoje são considerados um dos vilões do aquecimento global por terem como característica o elevado consumo de combustível. Além de causarem mais mortes nos EUA por colisões laterais.